defendemos o fumante, não o fumo: 
quer parar de fumar ou reduzir?
 

notícias&artigos - 2010
finalizada a enquete do eufumo

07/08/2010

 

Maioria acha que a lei foi rigorosa demais

 

O Eufumo agradece a todos os 790 internautas que participaram da enquete. Com a colaboração de vocês foi possível fazer uma avaliação mais precisa da aprovação da lei antifumo, mostrando que ela não é apenas "a lei que proibe o fumo em ambientes fechados".

 

Enquete realizada revela que:

Entre não fumantes - 26% dos internautas:

67% desaprova o fim dos fumódromos nas empresas

57% desaprova a proibição de fumar em locais semi-abertos.

 

Entre fumantes (obviamente, os índices são maiores) - 74% dos internautas:

92% desaprova o fim dos fumódromos nas empresas

88% desaprova a proibição de fumar em locais semi-abertos.

 

A lei paulista, "exportada" na íntegra para 4 estados do Brasil, é muito mais restritiva que a lei britânica, considerada como modelo para o mundo.

 

Desde a aprovação da lei paulista procuramos mostrar que bastava fazer cumprir a lei federal para proteger a população dos males do cigarro. No máximo a nova lei poderia ter excluido apenas os ambientes fechados frequentados por não fumantes.

 

Hoje as empresas se recusam a contratar fumantes, devido ao tempo que perdem ao sair do local de trabalho para fumar.

 

Proibir o fumo sob toldos/varandas/guarda-sóis não protegeu os não-fumantes: apenas serviu como forma de constranger e humilhar os fumantes.

 

Tabacarias não podem mais vender comida/bebida para seus frequentadores, embora não seja proibido contratar funcionários para atender os clientes no meio da fumaça.

 

O Eufumo sempre foi contra essas medidas que ao nosso ver, por não ter objetivo de proteger a população, foi a forma mais barata para forçar os fumantes a parar de fumar. Segundo matéria publicada ontem (06/08) no jornal O "Estado de São Paulo", há uma espera de 3 meses para tratamento (exigido pela Convenção Quadro que norteou os idealizadores da lei). Tenho perguntado nos locais que vendem cigarro se a venda diminuiu. Adivinhem a resposta? Claro que não...

 

A fiscalização ostensiva e o odioso método da delação garantiu ambientes fechados menos poluídos e os benefícios desta fiscalização encobriram os aspectos nefastos da lei abordados na pesquisa. Mas fica a sensação incômoda da facilidade com que é possível constranger e humilhar grupos de cidadãos que, por qualquer motivo, sejam eleitos como "a bola da vez". Nesses tempos de ditadura da saúde e do politicamente correto, não faltarão novos bodes espiatórios para impor os padrões de vida desejados.

 

enquete

 

Atenção: Os artigos do Eufumo não tem a intenção de fornecer recomendação médica, diagnóstico ou tratamento.

 

Veja o resultado completo da pesquisa no blog:

Nosso Blog