defendemos o fumante, não o fumo: 
quer parar de fumar ou reduzir?
 

notícias&artigos - 2011
química no cérebro explica tristeza ao abandonar os cigarros

Mais um estudo indica porque algumas pessoas são mais suscetíveis ao tabagismo.

 

Semelhante ao estudo que relaciona TDAH (déficit de atenção) ao tabagismo, a pesquisa do Centro de Dependência e Saúde Mental (CAMH, na sigla em inglês) descobriu a proteína responsável pela tristeza dos fumantes que abandonam o vício.

 

A maioria dos trabalhos publicados para leigos nos grandes jornais e revistas sugerem que é a nicotina a grande vilã que cria necessidades nos fumantes. Entrevistam profissionais das áreas mais variadas da medicina (oncologistas, cardiologistas, pneumologistas) que não conseguem enxergar o problema sob uma ótica diferente e talvez mais subjetiva. Atacam a consequencia e não a causa, ou atribuem a causa ao que é na realidade a consequência.

 

Estudos como estes sugerem o contrário: indivíduos com pré-disposição à dependência têm algumas deficiências que, por não serem detectadas e portanto não tratadas, acabam levando-os a buscar alívio em determinadas substâncias. No caso deste artigo, a nicotina.

 

Muitos psiquiatras dizem, há muito tempo, que os chamados fumantes pesados tem tendência à depressão. E por formação, não se contaminam com a propaganda disseminada pelas campanhas que apontam um vilão e produzem mais e mais "provas" para provar a sua culpa.

 

Se o tabagismo é difícil de combater não é porque a nicotina é mais aditiva que a cocaína: é simplesmente porque a investigação está sendo conduzida de forma errada.

 

A forma como os psiquiatras encaram o tabagismo faz com que estejam muito mais preparados para lidar com os fumantes e ajudá-los a abandonar os cigarros. Os novos caminhos certamente apontarão a eles.

 

Atenção: Os artigos do Eufumo não tem a intenção de fornecer recomendação médica, diagnóstico ou tratamento.

 

a matéria original


 

Química do cérebro explica por que o fumante se sente triste ao parar com o vício

R7 Saúde - 03/08/2011

 

Proteína da mudança de humor é ativada horas depois de o tabagista deixar o cigarro

 

Um dos sintomas mais comuns de quem para de fumar é a sensação de tristeza, uma leve depressão. Isso acontece porque ao pararem bruscamente de consumir cigarros, o cérebro começa a liberar uma proteína responsável por essa sensação.

 

A descoberta foi realizada por uma pesquisa do Centro de Dependência e Saúde Mental (CAMH, na sigla em inglês), do Canadá, divulgada nessa semana no Archives of General Psychiatry.

 

Segundo o cientista Jeffrey Meyer, autor do estudo, o abandono do cigarro, entre aqueles que acendem um atrás do outro, leva ao aumento de proteínas do cérebro relacionada à alteração de humor, chamadas monoaminas cerebrais (MAO-A, na linguagem médica).

 

Ao analisarem o cérebro de 48 pessoas, divididas em grupos de fumantes e não fumantes, a equipe liderada por Meyer descobriu que os níveis de MAO-A em regiões do cérebro que controlam o humor aumentou 25% após o então fumante ter deixado de dar as baforadas por oito horas. Esses níveis eram muito mais elevados do que o apontado no outro grupo.

 

A proteína MAO-A age como “comedora” de substâncias químicas no cérebro, como a serotonina, que criam a sensação de bem estar. Quando os níveis da proteína são muito elevados, como o que ocorre quando o fumante exclui o cigarro da sua vida, significa que esse processo de remoção está bastante ativo, fazendo com que as pessoas se sintam tristes.

 

Todos os 48 participantes preencheram questionários e os fumantes com os níveis mais altos de MAO-A também eram os que mais sentiam tristeza.

 

Compreender a tristeza durante a abstinência do cigarro é importante porque essa sensação torna difícil para as pessoas pararem de fumar, especialmente nos primeiros dias. Além disso, o tabagismo pesado está muito associado com a depressão clínica.

 

 

 

Endereço da página:

Química do cérebro explica por que o fumante se sente triste ao parar com o vício