defendemos o fumante, não o fumo: 
quer parar de fumar ou reduzir?
 

quero parar de fumar ou reduzir
nicotiana tabacum - teoria I

A grande maioria dos fumantes que fazem uso do cigarro regularmente, torna-se dependente. A dependência é caracterizada pela procura e uso compulsivo de uma droga, mesmo com o usuário ciente das conseqüências negativas para saúde.

 

Quase toda literatura cita a nicotina como sendo o agente 100% responsável pela dependência. No entanto, a reposição de nicotina, que segundo este raciocínio deveria eliminar por completo a necessidade do cigarro, não apresenta os resultados esperados se usada isoladamente. O produto NiQuitin adesivo transdérmico, da GlaxoSmithKlein, de 21mg (usado na fase 1 do tratamento) libera o equivalente em nicotina a quase 3 maços de cigarros de baixos teores (Marlboro Silver - 0,4mg por cigarro).

 

Mencionaremos aqui apenas a nicotina e seus efeitos, porque teoricamente, apenas a nicotina causa a dependência. Ninguém tem fissura pela falta de monóxido de Carbono (CO).

 

"O cigarro não deveria ser considerado como um produto, mas sim como um invólucro. O produto é a nicotina. Considere o maço de cigarros como um recipiente para o fornecimento diário de nicotina". Phillip Morris, 1972

 

Também não descreveremos os efeitos adversos do fumo, pois isso não faz falta, muito pelo contrário. Vamos descrever o que você provavelmente gosta, para que, de alguma forma, você tente suprir quando parar de fumar.

 

 

Histórico

 

O tabaco era cultivado por vários séculos pelos indígenas na América do Sul, que fumavam as folhas em rituais e usavam seu extrato como inseticida, e foi levada por Colombo à Europa. O tabaco também era fumado pelos indígenas australianos.

 

Durante o século XVI, o hábito se espalhou pela Europa, chegando na Inglaterra através de Raleigh na corte de Elizabeth I. Foi o Parlamento da era James I quem impôs o que podemos chamar da primeira semente da dependência dos governos em nicotina, criando um imposto substancial sobre o produto.

 

A origem do termo "tabacum" está no nome de um tipo de junco usado pelos nativos para inalar o fumo. Já o nome "Nicotiana" tem origem no nome do médico francês Jean Nicot, introdutor da planta na França e estudioso dos seus efeitos, que recomendava como remédio para todos os males (!).

 

Da Europa o tabaco espalhou-se para o mundo, primeiro na forma de cachimbos, depois charutos, rapé e mascagem de folhas. Até meados do séc. XIX o cachimbo era fumado por homens, mas com a invenção dos cigarros, se popularizou, hoje representando mais de 90% do consumo.

 

As pessoas só começaram a tomar conhecimento dos males do tabagismo através do Surgeon General's Report em 1968, que mostrou uma correlação entre o fumo e doenças/morte.

 

 

Composição

 

A composição química do fumo pode variar conforme o tipo de folhas de tabaco, o modo como são cultivadas, região de origem, características de preparação (compactação, filtro e papel) e as variações da combustão incompleta do tabaco.

 

A nicotina é o único agente farmacologicamente ativo no tabaco. Em média, a quantidade de nicotina absorvida num cigarro passa para metade em 10 min e continua a diminuir durante 2 horas. Ao entrar em circulação arterial a nicotina é distribuida pelos tecidos do corpo, atingindo o cérebro num intervalo entre 10 e 19 segundos. É rapidamente também absorvida pelas mucosas orais e pele.

 

A nicotina do tabacos para charutos e cachimbos é mais alcalina, facilitando sua absorção pela mucosa bucal. Isto explica por que fumantes de charuto e cachimbo não necessitam tragar o fumo para se satisfazer. Quanto mais alcalina é a nicotina, mais tempo permanece no organismo e com níveis mais altos. Assim é composta a nicotina presente nos chicletes usados para parar de fumar.

 

Além dos aditivos acrescentados ao tabaco para liberar mais nicotina, influi na absorção a maneira de fumar, a força e a profundidade das tragadas.

 

 

Álcool e nicotina - porque fumamos mais?

 

A associação do fumo com a ingestão de álcool aumenta a eliminação da nicotina (aumento da acidez na urina). Teoricamente isso explica porque fumamos mais quando bebemos.

 

 

Teores de Nicotina

 

Atualmente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estabelece como limites máximos, nos cigarros mencionados, 1mg de nicotina, 10mg de alcatrão e 10mg de monóxido de carbono (172).

 

Os charutos contêm, em média, 70% mais massa de tabaco, variando seu peso de 21g até 29g, enquanto cigarros pesam em torno de 1g. Sua concentração de nicotina pode passar de 100mg. A nicotina dos charutos é alcalina, facilmente liberada, passando diretamente para a circulação sanguínea, o que torna a intoxicação bem mais alta que a do cigarro.

 

obs. O tabaco usado nos diversos tipos de cigarros não apresenta índices diferentes de nicotina. O que se faz é mudar sua concentração, acresentando outros elementos na sua composição.

 

Atenção: Os artigos do Eufumo não tem a intenção de fornecer recomendação médica, diagnóstico ou tratamento.

* Nicotina e tabagismo (PDF)