defendemos o fumante, não o fumo: 
quer parar de fumar ou reduzir?
 

quero parar de fumar ou reduzir
tabagismo - folha: vícios modernos

Na falta de conteúdo adulto para o tema "Tabagismo", resolvemos publicar este trabalho realizado por um grupo de trainees da Folha de são Paulo, em 2006.

O trabalho trata da dependência como um todo.

 

5. Vícios modernos - Psiquiatras defendem remédios

FOLHA DE SÃO PAULO - 20/06/2004 - EQUIPE DE TRAINEES

 

O surgimento dos psicofármacos (remédios psiquiátricos) permitiu um avanço "fantástico" na forma de tratamento das pessoas com transtornos mentais. "Os últimos 50 anos do século 20 envelheceram os mais de 150 anos de psiquiatria", afirma o psiquiatra Marcos Ferraz, professor titular da Unifesp.

 

Ferraz explica que, ao mesmo tempo em que a psiquiatria torna-se capaz de identificar melhor as doenças, também oferece uma possibilidade de tratamento que antes não existia. "Isso provoca uma mudança na forma de olhar o doente, uma mudança qualitativa na forma de tratar as pessoas."

 

Segundo Ferraz, até antes dos anos 50 as doenças mentais graves eram apenas identificadas e o paciente ficava "custodiado" num hospital psiquiátrico. Com o surgimento dos remédios, a doença passa a poder ser tratada.

 

Para o psiquiatra Rodrigo Bressan, isso representa uma melhora na qualidade de vida das pessoas. Ele afirma que o tratamento de doenças mais graves (como depressões profundas) ganha muito com os remédios psiquiátricos.

 

Se o tratamento é melhor, mais pessoas passam a procurá-lo. "Como nós temos drogas cada vez melhores, as pessoas percebem que há uma melhora no tratamento e isso aumenta nossa demanda", afirma Bressan.

 

Tanto Ferraz quanto Bressan dizem que o fenômeno pode ser visto como um comportamento típico de uma sociedade que exige tudo de forma muito rápida. Para eles, no entanto, isso não é o mais importante. "O fundamental é que as pessoas possam ser auxiliadas e tratadas", diz Bressan.

 

Para Ferraz, a melhora no diagnóstico, além de permitir tratamentos mais eficazes, dá às pessoas a possibilidade de identificar seus próprios problemas. Ele diz que, hoje, a medicina consegue perceber que uma pessoa que perdeu a liberdade de agir em função de uma dependência de droga ou de um comportamento compulsivo está doente.

 

De acordo com ele, isso significa que as pessoas passam a reconhecer que certos comportamentos são uma doença e podem, então, procurar ajuda. Significa também que a doença, uma vez identificada, pode ser tratada.

 

"A psiquiatria não está preocupada com ações prazerosas. Nossa preocupação é com o indivíduo que perdeu sua liberdade e quer deixar a dependência, mas não consegue", diz Ferraz.

 

Bressan e Ferraz concordam que os remédios são um recurso a mais no tratamento e representam um avanço. Contudo, ambos fazem questão de deixar claro: os medicamentos não funcionam sozinhos; eles fazem parte de um tratamento que pode e deve envolver outros aspectos. (UM e MM)

 

 

 

1. Círculo Vicioso

2. Entrevista com Acioly Lacerda

3. Mecanismo do Vício

4. Tempo do Vício

5. Psiquiatras defendem remédios

6. Dependência dá a ilusão de que a vida é completa

7. Contardo Calligaris: Somos apenas desejo-dependentes

8. Entrevista com Marcos Ferraz

9. Entrevista com Rodrigo Bressan

10. Entrevista com Durval Mazzei

11. Entrevista com Contardo Calligaris

12. Vale tudo para abandonar o vício

13. Acolhida explica sucesso dos anônimos

14. Substituir drogas pesadas por leves pode é alternativa

15. Médica defende mudança de hábito para tabagismo

16. De perto ninguém é normal

 

endereço da página:

Vícios Modernos - Psiquiatras defendem remédio

Atenção: Os artigos do Eufumo não tem a intenção de fornecer recomendação médica, diagnóstico ou tratamento.