defendemos o fumante, não o fumo: 
quer parar de fumar ou reduzir?
 

quero parar de fumar ou reduzir
tratamentos disponíveis - farmacológico

O EuFumo não promove nenhuma forma de terapia contra o tabagismo, apenas apresenta as alternativas. Os fumantes não são todos iguais e nem fumam pelos mesmos motivos. Os padrões de fumar também variam muito, e o importante é você se sentir confortável e confiante com a terapia que escolher, uma vez que tenha tomado a decisão de parar.

 

Das dezenas de tratamentos destacam-se os nicotínicos, cujo tratamento é denominado "reposição da nicotina" (TRN), e os não nicotínicos, constantes de antidepressivos. Além desses, existem outros, os mais conhecidos sendo a hipnose e acupuntura e procedimentos aversivos, que trataremos em outros artigos.

 

Os médicos da área preferem o tratamento nicotínico, associado a antidepressivos, que, segundo dizem, elevam sua eficiência.

 

O consenso é de que o tratamento medicamentoso deve ser acompanhado de apoio comportamental. Ao tratamento medicamentoso é atribuída a diminuição ou anulação dos sintomas desagradáveis da síndrome de abstinência, principalmente nos casos de maior dependência.

 

Os medicamentos disponíveis na atualidade são nicotínicos e não nicotínicos.

 

Nicotínicos (Terapêutica da Reposição da Nicotina - TRN)

Existem 6 formas:

  • transdérmica - aplicação de adesivos (patch);
  • por via oral, com a goma-nicotina de mascar;
  • por inalação;
  • por aerossol;
  • por tabletes e pastilhas.
  • pseudo-cigarros - PREPs

Só as duas primeiras estão disponíveis no Brasil.

 

Não Nicotínicos (preferencialmente os antidepressivos)

Os médicos preferem a bupropiona. Há dois medicamentos não nicotínicos, chamados de reserva, por serem menos eficientes.

 

Os critérios para inclusão do tratamento com medicamentos estão estabelecidos de acordo com a situação apresentada pelo fumante, que, na prática, sugere a intensidade da dependência a nicotina:

 

  • Pessoas que fumam 20 ou mais cigarros por dia (fumantes pesados);
  • Pessoas que fumam no mínimo 10 cigarros por dia e consomem o 1º cigarro até 30 minutos após acordar;
  • Fumantes com escore do teste de Fargeström igual ou maior que 5, ou avaliação individual, a critério do profissional;
  • Fumantes que já tentaram parar de fumar anteriormente sem medicação mas não obtiveram êxito devido a sintomas da síndrome de abstinência.

 

DISPONÍVEIS NO BRASIL

 

Adesivo de nicotina (patch)

O sistema é de discos de adesivos de aplicação tópica, contendo nicotina, confeccionados de modo que esta seja absorvida pela derme, penetrando rapidamente na circulação. É, portanto, um método transdérmico. Atualmente, estão disponíveis discos contendo 21mg, 14mg e 7mg de nicotina.

Os discos são trocados de 24 em 24 horas e aplicados em sistema de rodízio, nos braços, ombros e peito. A absorção da nicotina de cada disco é de 75% do total. Assim, sobra nicotina no disco no final de 24 horas, o que mantém uma absorção constante, garantindo um pico de concentração no sangue, permanentemente. No método transdérmico as concentrações de nicotina no sangue são controláveis.

 

Reações adversas:

  • eritemas, que podem ser leves ou mais sérios com infiltrações na derme (30% a 50% dos casos)
  • hipersalivação e náuseas (menos comuns vômitos e diarréias) arritmias
  • às vezes, episódios de angina pectoris
  • No geral, as reações cardiocirculatórias são leves.

 

Contra-indicações:

  • doenças dermatológicas que impeçam a aplicação do adesivo;
  • período inferior de 15 dias em ocorrência de infarto do miocárdio;
  • presença constante de episódios de angina pectoris;
  • gestantes e lactantes.

 

 

Goma de mascar (chiclete) com nicotina

A goma de mascar com nicotina é apresentada em tabletes com 2mg e 4mg

A goma de mascar é altamente alcalina, facilitando absorção da nicotina através da mucosa bucal.

Os tabletes devem ser mastigados fortemente durante 20 a 30 minutos. Sentindo-se formigamento, repousa-se o chiclete entre a bochecha e a gengiva até seu desaparecimento, recomeçando a mastigar.

Terminado o prazo, a goma é jogada fora.

Deve-se mastigar no máximo 15 tabletes por dia podendo-se obter até 90% da liberação da nicotina.

O tratamento deve se estender até mais de dois anos.

As concentrações de nicotina no dependem da força e da maneira de mastigar e não são contínuas

Não há maneira de uniformizar as concentrações plasmáticas.

 

Efeitos colaterais:

  • gosto desagradável incoercível
  • salivação
  • ferimento da gengiva
  • soluço
  • náuseas
  • vômitos
  • fadiga muscular com dor nas mandíbulas
  • amolecimento de dentes

 

Não se deve usar alimentos, nem tomar água nos 30 minutos antes de mastigar o chiclete, evitando, assim, acidez gástrica, que pode impedir sua absorção pela mucosa bucal.

 

Contra-indicações:

  • fumar durante o tratamento
  • úlcera péptica
  • infarto do miocárdio, aguardando-se de 15 dias a um mês após esse episódio para iniciar o TRN;
  • angina pectoris e doenças coronarianas;
  • crianças;
  • adultos não-fumantes;
  • gestantes e lactantes.

 

 

TRATAMENTOS COM MEDICAMENTOS NÃO-NICOTÍNICOS

 

Os medicamentos não-nicotínicos constituem longa lista, entre estes situa-se a Bupropiona, que pelo seu comprovado efeito para cessar de fumar, coloca-se em primeira linha.

 

Bupropiona

Antidepressivo. A constatação de que a bupropiona tem igual efeito para cessação de fumar, tanto nos que têm ou não história de depressão, sugere que esse medicamento atua por outro mecanismo além de anti-depressivo.

Segundo os médicos, a associação da bupropiona com o adesivo de nicotina eleva o percentual de sucessos.

 

Reações adversas:

  • boca seca
  • insônia
  • convulsões, sobretudo nos que têm história desses episódios.

 

Ccontra-indicações relativas:

  • uso de carbamazepina, cimetidina, barbitúricos, antipsicóticos, antidepressivos, teofilina, corticoesteróides sistêmicos
  • diabetes melitus em uso de hipoglicemiante oral
  • hipertensão não controlada

 

Contra-indicações absolutas:

  • antecedente convulsivo
  • epilepsia
  • convulsão febril na infância
  • anormalidades eletroencefalográficas
  • alcoolistas em fase de retirada do álcool
  • uso de benzodiazepínico ou outro sedativo
  • doença cérebro-vascular
  • tumor do sistema nervoso central
  • bulimia
  • anorexia nervosa e uso de inibidor de MAO há menos de 15 dias.

 

A associação com qualquer tratamento nicotínico pode elevar a pressão arterial, que deve ser monitorada como rotina nos tratamentos com bupropiona.

 

Vareniclina

Champix: sob suspeita

 

 

OUTROS MÉTODOS:

 

Farmacológico

Acupuntura

Hipnose

Procedimentos aversivos de fumar

 

 

Atenção: Os artigos do Eufumo não tem a intenção de fornecer recomendação médica, diagnóstico ou tratamento.