defendemos o fumante, não o fumo: 
quer parar de fumar ou reduzir?
 

polêmica - estratégia X ética
indústria antifumo desestimula proteção contra poluição ambiental

É muito comum a afirmação de que qualquer nível de exposição tem o poder de matar o não-fumante ("Não ha índices seguros de exposição de fumaça ambiental de cigarros").

 

Há, no entanto, uma perversidade enrustida nesta constatação. Apesar dos filtros e purificadores serem indicados para outras formas tão nocivas de poluição ambiental como a da queima de combustíveis sólidos (leia-se fornos a carvão e à lenha, lareiras, etc), o fanatismo dos antitabagistas impede as tentativas de minimizar a exposição à fumaça de cigarros.

 

Abaixo alguns trechos do estudo produzido e publicado no BMJ, "Filtros São Estratégia da Indústria Tabagista"

 

"Opositores das políticas de ambientes livres de tabaco, em especial a indústria de hospitalidade, sugerem a ventilação como a "solução" para o problema do fumo passivo. [...]usa esses grupos para divulgar seus interesses e luta para influenciar os padrões de ventilação.

 

Nos seus esforços para desacreditar a evidência científica do perigo do fumo passivo, a indústria desenvolveu uma rede de "experts" para disseminar sua posição de que ambientes livres de tabaco não são necessários [...] Essa estratégia tem tido sucesso limitado nos EUA, provavelmente porque afinal, é mais simples, barato e saudável parar de fumar [...]"

 

obs do EuFumo: A Organização Mundial de Saude e Agência de Proteção Ambiental sugerem ventilação e filtros para amenizar os efeitos da queima de combustível sólido, que contém os mesmos componentes cancerígenos.

 

Atenção: Os artigos do Eufumo não tem a intenção de fornecer recomendação médica, diagnóstico ou tratamento.

 

Tobacco industry efforts to present ventilation as an alternative to smoke-free environment

(pdf - em Inglês)