defendemos o fumante, não o fumo: 
quer parar de fumar ou reduzir?
 

polêmica - estratégia X ética
perigo à vista

O "fumo passivo" é o 2o maior risco para a saúde do fumante.

 

Frase de uma comunidade do Orkut:

"Como irrita aquela boca com akele gosto, deixando a sua garganta irritada, e tendo q toda vez q bejar a pessoa, saber que vai ficar mais uma semana sem voz, ou até tomando antibióticos para combater a irritação[...].

 

descrição da comunidade "Odeio beijar fumantes"

A garota da frase acima não sabe, mas provavelmente pegou sapinho depois de pontuar 15 numa balada... ("bejar" 15 pessoas).

 

Essa cultura do pânico preocupa porque além de provocar absurdos como a auto-medicação da menina do Orkut, cria um perigoso ciclo de agressão presenciado em épocas sombrias da história e que deve ser repudiado.

 

Porque o fumo passivo é um risco para o fumante?

 

Porque gera uma falha no atendimento médico que só lhe é garantido na condição dele abandonar o cigarro.

 

Poucos profissionais têm a consciência de enxergar o fumante como paciente que necessita de alimentação adequada, praticar exercícios físicos, tomar cuidados redobrados com os dentes, fazer exames regulares.

 

Esta seção mostra a história deste conceito desde a sua concepção (motivada pela necessidade de forçar o fumante a largar o hábito) até os estudos subsequentes, conduzidos para provar a tese inicial.

 

Os únicos trabalhos que recebem verba são os que partem da premissa dos males do fumo passivo e não contestam a metodologia utilizada em estudos anteriores.

 

Profissionais que, de alguma forma, lançam dúvida sobre as "evidências científicas contundentes" são taxados de "amigos da indústria tabagista".

 

É a anti-ciência a favor da Indústria Antifumo.

 

Atenção: Os artigos do Eufumo não tem a intenção de fornecer recomendação médica, diagnóstico ou tratamento.