defendemos o fumante, não o fumo: 
quer parar de fumar ou reduzir?
 

sobre nós
respeito aos fumantes

Época São Paulo - Fausto Spósito - junho 2009

 

Milena Hannud é arquiteta e fuma há mais de 30 anos. Lembra, com certa dificuldade, da vez em que encontrou um cigarro no bolso de um casaco e, sozinha, deu sua primeira tragada. Tinha menos de 15 anos de idade. Após a aprovação da lei que proíbe fumódromos no Estado de São Paulo, decidiu lançar o site Eu Fumo, que traz desde dicas de etiqueta até orientações de profissionais de saúde para fumantes que, por enquanto, não pretendem abandonar o cigarro.

 

"Não acreditei que o domínio estava livre", disse Milena depois de relatar suas fracassadas buscas por informações para melhorar a saúde de fumantes. Segundo ela, tudo que encontrou foram conselhos destinados às pessoas que desejam parar de fumar imediatamente. Como não era o seu caso, a arquiteta resolveu criar um site norteado por uma pergunta: "O que fazer enquanto não parar?"

 

Com dicas e sugestões de comportamento, o Eu Fumo propõe uma abordagem "séria e adulta" para pessoas que vivem o mesmo dilema da arquiteta. Escondidos sob o disfarce do Dr. X, médicos, dentistas, esteticistas e até mesmo consultores de etiqueta, orientam fumantes que não querem ou não conseguem deixar o vício. "Não fazemos apologia ao cigarro. A ideia é melhorar a auto-estima do fumante", garante Milena que considera medidas repressivas prejudiciais. Para a criadora do site, se o fumante não encontra outra alternativa que não seja largar o cigarro, acaba não tomando atitude nenhuma, o que, segundo ela, "é mais perigoso".

 

questão de abordagem

A proposta do eufumo é tentar amenizar os efeitos do "fumo passivo" no fumante. Considerada a arma mais eficiente contra o consumo de tabaco, o conceito de fumo involuntário foi criado após várias tentativas frustradas de sensibilizar o fumante a abandonar o hábito.

 

Hoje ela oferece imunidade para ofensas, obscurecimento na questão de direitos civis e, mais grave, marginalização na área da saúde. A campanha foi tão eficiente que o próprio fumante se convenceu de que não merece respeito ou atençao.

 

Esta receita para proteger a saude do fumante tem na sua bula efeitos colaterais indesejados:

  • Marginaliza o objeto de sua proteção: perde-se a oportunidade de ouvi-lo - o que geraria um índice maior de sucesso nas tentativas de abandono do vício.
  • Associação indiscriminada de doenças ao consumo de tabaco faz com que ele descuide ainda mais de sua saúde (tudo é culpa do cigarro).
  • Diminuição da sua auto-estima agravando a falta de cuidados que ele tem com si mesmo.

 

Queremos ouvir, ajudar e informar, buscando promover saude, bem-estar e aumento de auto-estima O site é dirigido todos que se preocupam com essa situação: fumantes, não-fumantes e interessados, que podem inclusive solicitar enquetes com nossos internautas. Esperamos desta forma ajudar a preencher uma lacuna importante que até hoje foi mantida aberta.

 

Atenção: Os artigos do Eufumo não tem a intenção de fornecer recomendação médica, diagnóstico ou tratamento.